Histórico:

- 01/08/2010 a 07/08/2010
- 25/07/2010 a 31/07/2010
- 18/07/2010 a 24/07/2010
- 11/07/2010 a 17/07/2010
- 04/07/2010 a 10/07/2010
- 27/06/2010 a 03/07/2010
- 20/06/2010 a 26/06/2010
- 23/05/2010 a 29/05/2010



Outros sites:

- Desafio do Conhecimento Its
- Colégio Elisa Andreoli


Votação:

- Dê uma nota para meu blog

Indique esse Blog


Contador:

Código html:
Cristiny On Line



 

Bom, finalmente depois de todos esses posts sobre o mercado de trabalho, oportunidades de emprego, vagas sobrando e faltando, curso superior e tudo mais, vamos ao final do desafio do conhecimento.

E sem delongas, nosso ultimo tema é nada mais e nada menos do que a importância do primeiro emprego.

Pessoalmente, ouvi várias opiniões acerca dessa tão esperada (ou, em alguns casos, indesejada) experiência. 

Alguns afirmam que o primeiro emprego é uma experiência de peso, é o primeiro contato com o mundo profissional, um processo de educação, aprendizado e socialização. O que na realidade tem todo o sentido, já que o jovem inexperiente poderá aprender mais acerca da rotina dos trabalhadores, como se comportar no ambiente de trabalho e etc.

 

 

Contudo, há aqueles que acham que o primeiro emprego não é algo que tenha tanto valor, já que hoje em dia, as empresas buscam mais do que meramente experiência, buscam conhecimento, aperfeiçoamento, formação e assim por diante...

Minha opinião seria um meio termo entre estes dois: O primeiro emprego tem sim o seu peso, mas não é definitivo, apenas por tê-lo conseguido não o dispensa de continuar estudando, aperfeiçoando e melhorando seu conhecimento. Porque tudo o que se acrescenta no currículo é um passo mais próximo para ser empregado. 

 

Como conseguir o primeiro emprego?

Essa é uma questão que varia, levando em consideração que nada hoje em dia é dado de “bandeija” já que, se até aqueles que tem anos de experiência e estudo tem dificuldades para conseguir um emprego o que se imagina dos que começam agora? Bom, primeiramente o mais importante é o seu currículo, atividas extra-currículares, idiomas além da lingua nativa, educação e etc, contam muito se você realmente deseja um emprego, o mais recomendado são os estágios, principalmente se é em uma aréa que você deseja se especializar mais tarde, procure sempre alguém que possa lhe ajudar e dar as informações e apoio necessário, e mesmo que não o consiga o importante é nunca desistir, porque o verdadeiro fracasso não é o não vencer e sim o não conseguir tentar de novo. 

Dicas:

Como criar um currículo caprichado.

1 – Nada de pressa. Prepare-se para dedicar algum tempo à tarefa de criar o seu currículo – ele não vai ficar pronto em 10 minutos, e certamente será um tempo bem empregado.

2 – Faça um diagnóstico. Procure se informar (no site da empresa, na imprensa ou de outra forma) sobre o que fazem as empresas para as quais você vai entregar o currículo, e que tipo de profissionais elas procuram. Escreva os currículos dando destaque às características que você tem e que se adequem ao perfil que a empresa deseja.

3 – Seja original. Para se inspirar, não há problema em ver modelos de currículos divulgados na imprensa ou em sites especializados, mas não os copie. Lembre-se que o seu avaliador provavelmente vai receber vários outros iguais a aquele modelo, e tudo o que você NÃO quer é ser apenas “mais um”

4 – Seja localizável. As informações de contato são essenciais. Elas devem vir no alto, em destaque, na primeira folha. Não procure ser mais extensivo do que o necessário: para a minha análise, basta ter o nome completo, telefone fixo, telefone celular e e-mail (todos devem estar atualizados e corretos). Informar múltiplos telefones fixos ou múltiplos e-mails deve ser evitado, a não ser que você tenha uma boa justificativa – o mínimo que se espera de um possível contratado é que ele consiga decidir qual o seu telefone e o seu e-mail de contato.

5 – Tenha um foco. Se você está procurando ao mesmo tempo uma colocação como professor de violão clássico e como programador web, faça um currículo separado para cada uma das vagas, sem misturar neles as aptidões tão diferentes entre si. Mas não tenha medo de mencionar (mas aí como nota adicional, sem destaque) no currículo para uma vaga técnica as suas aptidões artísticas ou humanas, ou vice-versa – as empresas não contratam robôs, e muitas vezes têm interesse em saber desde cedo como é a pessoa (e não apenas o profissional) que está contratando. O mesmo vale para atividades extra-curriculares, trabalhos voluntários e outros “extras”.

6 – Seja claro, direto e verdadeiro. Um ponto essencial é incluir a informação correta e completa, de forma direta e concisa. Tentar mascarar informações que a empresa vá descobrir depois é um risco desnecessário, e pode levar a uma posterior avaliação negativa simplesmente pelo fato de você ter tentado.

7 – Escreva de maneira informal, mas corretamente. Leia e releia, remova os erros de ortografia e gramática. Pontue, acentue. Entregue para alguém revisar, e verifique inclusive os dados e números. A última coisa que você quer é que o seu telefone de contato esteja errado. A penúltima coisa que você quer é que a presença de erros de digitação levem o seu avaliador a acreditar que você não é zeloso, ou que escreve mal.

8 – Seja seletivo. Dificilmente o seu avaliador desejará saber onde você fez o pré-escolar, ou o estágio obrigatório para se formar no segundo grau. É provável que ele queira saber se você fez cursos de informática ou de formação profissional em alguma área, mas o número de vagas para as quais é relevante a informação de que você fez curso de piano quando tinha 12 anos é bastante limitado. Incluir este tipo de detalhe no currículo é praticamente uma confissão de que o candidato não tem nada de mais relevante para informar, ou que não tem discernimento do que é importante. Duas boas razões para sair da pilha dos currículos que serão chamados para a entrevista…

9 – Inclua o essencial. Em um bom currículo, não podem faltar as informações de contato atualizadas, uma caracterização sobre você (nome completo, data de nascimento, cidade onde mora, estado civil, se tem filhos) dados sobre as experiências profissionais recentes (empregos, estágios – incluindo período e atividade desempenhada em cada um deles, no mínimo), a formação acadêmica (com detalhes apenas sobre as mais relevantes), e outras atividades e fatos que possam ajudar a definir você como profissional: participação em cursos e eventos, atividades como instrutor, atividades comunitárias, domínio de idiomas, aptidões adicionais (exemplo: dirigir, ter carro próprio…) e outros itens, desde que sejam relevantes para a vaga pretendida! 

10 – Capriche no visual. Claro que a parte mais importante do seu currículo é o conteúdo, mas você definitivamente não deseja causar má impressão. Imprima com capricho, e entregue originais (e não xerox) do seu currículo em cada empresa. Se você tiver que corrigir alguma coisa, simplesmente edite e imprima de novo, nada de alterar escrevendo com esferográfica sobre o seu original desatualizado. Lembre-se que se você caprichar, o seu currículo pode ser o primeiro contato que a empresa terá com você. Mas se você não caprichar, é provável que ele seja o último.

 

Fonte(s): Efetividade.net

 

 

Antes de terminar, hoje trago três links para vocês...

Empregolandia

TreineiroBrasil

Istoé

 

 

E é claro que não poderíamos deixar de agradecer à todos aqueles que passaram por aqui e pela oportunidade oferecida pela Its, vencendo ou não, o concurso é um oportunidade pequena, mas de grande aprendizado à todos que participaram. Até mais, esperamos que tenham gostado.

 

"A Arte de vencer se aprende nas derrotas." 
(Simon Bolívar)

:)

F5

 



- Postado por: Alguém Como Você às 21h58
[ ] [ envie esta mensagem ]

___________________________________________________




 

 

Antes de responder a pergunta principal deste nosso 6º tema, temos que começar por baixo, precisamos olhar tudo por trás e analisar de onde chegamos nesse maldito ponto.

Quando criança, eu, você, qualquer um da face da Terra, sonhou em ser qualquer profissão no futuro, geralmente uma profissão presente em seu dia-a-dia e que o fascine. Médico, dentista, professor, veterinário... Tudo parecia tão simples, mas, com o passar o tempo, nós mesmos percebemos que o bicho tem mais de sete cabeças. Com o tempo, cada pessoa começa a perceber que ser aquilo que ela idealizava na sua infância já não é mais válido, ela começa a ver que cada pessoa tem sua vontade, seu estilo de vida, sua personalidade, e que vários são os fatores que fazem cada pessoa seguir seu rumo e se direcionar a um setor no trabalho. É exatamente ai que está o problema. E se o curso que eu escolher for um famoso "Curso Saturado?", e se tudo que eu fiz e desejei na vida até então foi, de fato, trabalhar nessa área? O maior e melhor conselho que responde esta dúvida é: Não desista. Mais vale um pássaro na mão do que dois voando, não é? Quer dizer, mais vale um profissional de qualidade lutando para trabalhar naquilo que sabe e gosta, do que dois profissionais ganhando salários manchados, trabalhando naquilo que não levam jeito e que, em consequência disto, vão acabar ficando desempregados ou infelizes com a própria profissão.

 

 

A verdade é que cada um deve lutar por aquilo que deseja seguir em sua carreira profissional, mas lutar mesmo, sair atrás de trabalho. É estar na medida certa, seguro o suficiente para não deixar se abalar diante uma dificuldade, mas carregando a humildade ao seu lado sempre.

 

Como ninguém é de ferro, e milagres são muito raros, há dicas para àqueles de desejam seguir uma carreira inclusa no termo "Saturado". O primeiro de tudo, que eu, pessoalmente, acho de extrema importância para toda e qualquer profissão, são as línguas. Uma pessoa que tem fluência em pelo menos um língua estrangeira já tem grandes privilégios diante de uma grande maioria de cursos, pois no fundo as empresas procuram por alguém que saiba falar pelo menos duas línguas, mas a falta de interesse dos próprios entrevistados não ajuda. Mas não fique tão alegre assim, um colégio que oferece duas aulas de 45 minutos de um outro idioma por semana não chega nem perto de ser o suficiente. Corra atrás. Hoje há dezenas de cursos oferecidos, principalmente o Inglês e o Espanhol. Porém, caso você não tenha dinheiro suficiente para poder bancar um curso de línguas ou é malandro demais para ficar uma hora e meia fora de casa aprendendo outro idioma, não é só esse fator que conta.

 

 

Um segundo fator que deve estar incluso neste post é a mobilidade. É fácil profissionalmente, porém difícil emocionamente. Ela se resume praticamente em mudar de região para conseguir um bom emprego, pois talvez o curso que é saturado na sua cidade pode não ser saturado e até estar precisando de mais trabalhadores em outra cidade. E difícil desta questão são os amigos e a família que estaremos deixando para trás, toda nossa história que talvez foi construída em certo estado agora passaria a ser um passado que ficaria pisoteado de um novo futuro com novas oportunidades, onde cada um sabe e cuida de si mesmo. Embora este ponto seja algo meio difícil de lidar diante esta questão emocional, muitas pessoas recorrem à ele.

 

Bom, o terceiro e talvez mais importante fator são as Redes de Contato. Há muita gente que diz que Redes de Contato é a forma mais eficaz na obtenção de um emprego, e talvez elas estejam certas. O famoso QI (Quem Indica) continua sendo uma estratégia rápida e fácil quando se quer um emprego, consiste em ex-colegas ou amigos que trabalham em certa empresa te indicar passando toda a sua qualidade no assunto, mas ele não representa qualidade, não quer dizer que você tem total chances de conseguir tal emprego graças ao seu amigo que trabalho em tal empresa. Por isso, é preciso ter um boa e mais ampla Rede de Contatos, o que eu faço para conseguir isso? Contatos! Internet, elevador, hotéis, eventos, achando números antigos na agenda, batendo um papo ao lado da máquina de café... São algumas das maneiras de conseguir ingressar nesse novo mundo: apenas nas bobas trocas de informações cotidianas você pode conhecer desde o faxineiro até o presidente de uma empresa, pode saber como ela funciona e com quem deve dividir sua experiência para ingressar nela. Qualquer ajuda é bem-vinda, não importa se a pessoa com quem você decide conversar seja vice-presidente ou estagiário, ela saberá de fato todo o funcionamento da empresa, tudo o que se faz, seu ritmo, quem trabalha lá e talvez até como elas conseguiram tal emprego. Ah, lembra daquele seu antigo amigo de escola que era filho do dono de um famosa empresa? É, ele também pode ser um bom caminho para sua jornada, desde que vocês tenham afinidade verdadeira. Adquirir uma Rede de Contato de qualidade não é algo fácil, mas também não chega a ser difícil: Tire seu paletó do armário, saia de casa e bote sua língua para funcionar... E caso você não queria levantar de sua cadeira, você pode arranjar boas oportunidade em redes socias online... Pois é, quem diria? Nunca subestime fóruns ou até mesmo o Orkut, eles provavelmente foram ferramentas essenciais para que milhares de pessoas conseguissem seus sonhados empregos.

 

 

Por fim, devo dizer para não desanimar, desde que você esteja correndo atrás daquilo que você sonha, daquilo que você gosta... Tudo acabará bem.

 

Ah, e hoje trago quatro vídeos e um novo site para os leitores:

Como Fazer Contatos (Vídeo 1)

Palestra Network (Vídeo 2)

Globo News (Vídeo 3)

O Que São Redes Sociais? (Vídeo 4)

CEDETonline (Site Pago)



- Postado por: Alguém Como Você às 15h04
[ ] [ envie esta mensagem ]

___________________________________________________




 

 

Nosso tema de hoje será: Indústria.

E vamos começar primeiramente pelo o que é indústria. Onde esta se divide em:

Indústria de bens intermediários ou de bens de capital, que transforma a matéria-prima em outra matéria-prima, simplificando elas produzem máquinas para as outras indústrias (um exemplo apenas.) 

Indústria de bens de consumo que é aquela que produz produtos para a população. Por exemplo a indústria alimentar, têxtil, etc.

Isso mostra, pelo menor para min, que essa aréa como qualquer outra, exige vários profissionais de qualidade, o que na verdade parece estar em falta. De acordo com o que li, após a crise, muitas indústrias e empresas pequenas estão/estavam a procura de empregados, onde qualificação e experiência são o que mais se procura. E inclusive há também cursos gratuitos na aréa indústrial. 

 

 

E então, porque há vagas sobrando? Talvez seja pelo fato de que mão de obra em segmentos da indústria , sejam substituídos por cursos que os jovens de hoje tem mais interesse como, informática e etc.

De acordo com a G1 , a Indústria paulista gera 15,5 mil vagas em junho. O emprego sobe então para 0,62% e dos 22 setores analisados, 15 realizaram contratações, três cortaram vagas e quatro mantiveram o nível de emprego. O setor que mais contratou pessoal em junho foi o de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e óticos (alta de 2,5% em relação a maio), seguido por metalurgia (alta de 2,1%) e a indústria de bebidas (2,0%). Os maiores recuos de pessoal foram registrados pelos setores de produtos de minerais não metálicos e o setor de impressão e reprodução de gravações, ambos com retração de 0,3%.

 

 

No fim e como já anda repetido, as indústrias procuram bons profissionais e até lhe dão a formação necessária e agora só depende do jovem. Que pode escolher um curso, por exemplo, técnico de manutenção mecânica que é um mercado altamente promissor, considerando que o aluno pode trabalhar em diversos setores produtivos, desde o segmento metal mecânico, eletroeletrônico, têxtil, plástico, de vestuário, onde a máquina não pode parar. 



Lista de Indústrias de Santa Catarina:

1. Bunge Alimentos;
2. Sadia
3. Perdigão;
4. WEG Equipamentos;
5. Tupy;
6. Tigre;
7. Cooperalfa;
8. Amanco;
9. Intelbrás.
10. Pamplona;
11. Eline;
12. Portobello;
13. Teka;
14. Koerich;
15. Karsten



Fonte(s):
Revista Exame Maiores e Melhores 2009
 

Por fim, vamos  àqueles links espertos que ajudam a clarear as nossas ideias:
Portal da indústria catarinense

Portal da indústria de são paulo

 



- Postado por: Alguém Como Você às 18h30
[ ] [ envie esta mensagem ]

___________________________________________________




 

 

Não há como negar que um bom profissional é aquele que se prepara desde cedo, coisa que nós já refletimos aqui mesmo no blog. Mas e depois? O que acontece?

Malandro que é malandro sempre arranja uma desculpa para escapar de qualquer compromisso, mas quando estamos falando de vida profissional, não tem jeito. É claro que, devido à questões financeiras, às vezes fica um pouco inacessível para um jovem a questão do trabalho porém, hoje em dia, meio é o que não falta, diversidade é algo transbordando no mercado profissional atual. Curso tem de sobra pra qualquer um.

 

 

Fazendo um rápida pesquisa no site da Unicamp, assim, de apenas passar o olho por cima dos nomes mesmo, já vimos que há dezenas de cursos oferecidos para o Vestibular de 2010. Há cursos de A à T, basta saber em que área certa pessoa se encaixa melhor, qual sua matéria preferida. E o pior é que tem gente que ainda fala que não se encaixa em nada nessa vida. Vamos combinar que "não saber o que ser quando crescer" é algo válido, mas dizer que não existe curso que se enquadre em seus desejos sem antes dar um bela de uma pesquisada já é desaforo, não é?

Já falando sobre instituições, precisamos antes saber que Instituições são espécies de grupos sociais que funcionam em prol do funcionamento da sociedade e em todos aqueles que estão dentro dela. Já as Instituições de Ensino podem ser cinco: Escola, Colégio, Universidade, Faculdade ou Cursinho.

 

A Escola - muitas vezes nomeada de Colégio - é a mais simples, onde estudamos o básico e somos dividos em Diretor, Professor e Aluno. As matérias podem variar, dependendo da região ou do tipo de escola, mas são aquelas que todos aprendem, Matemática, Geografia, Ciência e etc.

 

O Colégio é a parte final da Escola, apartir do momento que uma institução possui o Ensino Médio (tendo ou não o Ensino Fundamental) ela se denomina Colégio. Já neste "estágio", somos dividos em Diretor, Professores, Alunos, Secretários e Porteiros. As matérias mais uma vez podem variar, entretanto, num Colégio, visa-se o Português, Matemática, História e Geografia.

 

A Universidade é uma instituição pluridisciplinar de formação dos quadros de profissionais de nível superior,de pesquisa,de extensão e de domínio e cultivo do saber humano. Uma universidade provê educação tanto terciária (graduação) quanto quaternária (pós-graduação). Segundo Mazzari Júnior "as universidades gozam de autonomia para executar suas finalidades, em estrita observância ao texto constitucional, porém este direito não proibe o Estado de verificar o uso desta prerrogativa nas atividades que lhes são próprias." (Parágrafo retirado do Wikipédia)

Para ingressar na universidade, a conclusão de todos os níveis de ensino é obrigatória.

 

 

A Faculdade costuma ser confundida com Universidade, pois na maioria das vezes ela está, de fato, ingressada na mesma, porém no Brasil há faculdade desvinculadas de Universidades. Estas são Instituições Públicas ou Privadas, visa propostas curriculares em uma ou mais de uma área do conhecimento e pode oferecer cursos em vários níveis sendo eles de graduação, cursos sequenciais e de especialização e programas de pós-graduação.

 

Por fim, o popular Cursinho. O Curso Preparatório Ao Vestibular, mais conhecido como Cursinho, é uma espécie de curso dado para estudantes do Ensino Médio que estão prestes a fazer o Vestibular, o Cursinho tem o objetivo que fazer o estudante relembrar tudo aquilo que ele mesmo estudou durante sua caminhada até ali para se dar bem em tal prova. Eles são famosos graças à técnicas de memorização à base de rimas, músicas ou humor que ajudam na hora do exame. O ponto negativo que é visto no querido Cursinho, é que ele realmente funciona totalmente voltado ao sucesso no Vestibular, não à compreenção do aluno.


 



- Postado por: Alguém Como Você às 15h01
[ ] [ envie esta mensagem ]

___________________________________________________




 

 

Faculdade, pós-graduação, mestrado, doutorado e MBA.

Isso chama muita a atenção quando se trata de enviar seu currículo para uma empresa e em alguns casos é obrigatório você ter os feito. Logo, quando se trata de conseguir ou não conseguir um emprego o estudo conta muito, principalmente hoje em dia, em nossa sociedade competitiva e exigente.

 

Contudo não se engane a achar que por ter simplesmente feito uma faculdade você conseguira um bom cargo, isso acontecia nos anos passados. O hoje é diferente, o hoje exige que você continue se aperfeiçoando e melhorando. Pois é assim que nossa sociedade funciona. E também acrescento que apenas por possuir um curso superior não o faz melhor do que ninguém, não tente forçadamente encher seu próprio ego.

 

 

Hoje em dia ter um curso superior é muito importante. Não é só pelo status, e sim pela possibilidade de arrumar um bom emprego seja na área pública ou privada e se dar bem na vida, e realizar os sonhos de ter um carro, uma casa própria, constituir uma família, etc.. A maioria dos concursos públicos está exigindo curso superior. As empresas da iniciativa privada estão exigindo para os cargos de diretoria e chefia candidatos com cursos superiores; e para as funções de bancário se exige curso superior nas áreas de administração, ciências econômicas e contábeis.

A questão é, não é por causa de ter um curso superior que sua vida será melhor, existem várias pessoas que se deram muito bem na vida profissional sem nível superior.

Só que o mundo de hoje se encontra cada vez mais competitivo, se você quer alcançar oportunidades boas no mercado de trabalho a faculdade ajuda.

 

 

Há alguns anos atrás quem tinha faculdade logo conseguia um bom emprego, hoje em dia faculdade já está deixando de ser o mais importante no seu currículo. As oportunidades já são maiores para quem faz uma Pós-graduação, Mestrado etc.

Assim, os cursos superiores deixaram de ser uma opção para ser também uma condição e uma necessidade dentro do exercício profissional. Isso se manifesta tanto como iniciativa de aperfeiçoamento do currículo dentro de um ambiente cada vez mais concorrido quanto por exigência natural do mercado, onde a todo instante se vêem antigos meios e conceitos sendo aperfeiçoados ou superados.


Se você é um aluno aplicado e quer ter um opinião mais formada sobre esse assunto, temos dois links para você:

Documento da Unemat.com.br

e

Cursos Superiores em Santa Catarina



- Postado por: Alguém Como Você às 18h45
[ ] [ envie esta mensagem ]

___________________________________________________




 

 

Cursos técnicos seriam uma boa forma de garantir um bom emprego e, quem sabe, se dar bem na vida? Sim. Garantia de Qualidade? Nem sempre. Desde que passei da fase em que percebi que não sou mais criança, eu, assim como qualquer outro jovem, sou pressionado por todos a minha volta (inclusive eu, claro) a dar duro nos estudos, tudo e todos me dizem que o mercado de trabalho hoje em dia anda muito mais difícil do que outros tempos. De uma coisa eu sei, nada vai cair do céu, não vai acontecer nenhum milagre. E é fato que, ninguém consegue ser um bom profissional sem um bom preparamento.

 

Cursos técnicos são uma via mais acessível entre os jovens e o emprego. São de curta duração e dão um "empurrãozinho" para que o jovem consiga se guiar no mercado de trabalho, afinal, é obrigatório o estágio dentro de empresas, quando se fala em curso técnico. O curso técnico é voltado inteiramente à sobrevivência, às necessidades que temos de enfrentar hoje em dia, como nos virar no dia-a-dia, é voltado também à agilização do processo a qual o jovem passa quando arranja seu primeiro emprego e, daí em diante, engressa no mercado de trabalho.

 

Por outro lado, os cursos técnicos não tem o mesmo peso que fazer uma boa e velha faculdade. O curso superior é algo mais trabalhoso, é preciso dedicar mais tempo de sua vida para trabalhar em cima da teoria, há, assim, muito mais tempo para abordar assuntos referentes à área que o jovem irá seguir. Uma pessoa que tem curso superior é mais procurada do que uma pessoa que possui apenas um curso técnico, isso deveria nos levar a conclusão de que quem faz um curso superior tem pelo menos 50% de chances a mais de arranjar um bom emprego do que quem tem, em seu curriculum, um curso técnico, não é? Não. Pense comigo, já sabemos que o mercado procura por pessoas que tem curso superior em seu histórico, primeiramente, pois, na teoria, elas seriam mais qualificadas... Mas e aquele cara que faz curso técnico e que já arranjou um estágio na empresa que procurava alguém novo com um curso superior? E se ele realmente for tão qualificado como qualquer outro? Para que a empresa passaria pelo trabalho de sair a procura de um novo empregado se ela já tem quem precisa ali mesmo, dentro de seu teto?

 

Analisar os dois lados que propus nesse post, e dizer que os dois são de qualidade, é inevitável. Não há como dizer qual é melhor ou pior, afinal, cada casa é um caso, não é? Vai da visão do mundo da pessoa que tem para escolher entre os dois caminhos. Eu quero qualidade, ou oportunidade? Não importa que eu escolha, eu vou ter que ralar para alcansar meu objetivo.

 

 

Caso você queira saber um pouco mais, navegue nos links abaixo:

Abril (Fornecido pelo Desafio do Conhecimento)

MetropoliOnline (Fornecido pelo Desafio do Conhecimento)

 

SENAC (Cursos Técnicos)

Vídeo  (Emprego de A a Z - Matéria exibida no Fantástico 2008)

Vídeo 2 (Depoimento de uma ex-aluna do Curso Técnico SENAC-SP)



- Postado por: Alguém Como Você às 15h27
[ ] [ envie esta mensagem ]

___________________________________________________




 

 

Olá e boa tarde.

 

Aqui é o primeiro post da equipe F5. E sem delongas, vamos começar o nosso primeira tema: Mercado de trabalho e as oportunidades de emprego. 

 

Se fala muito sobre o mercado de trabalho lá fora, em revistas, na televisão, nos jornais, etc. 

Não minto a dizer, nunca dei a mínima para eles.

Não generalizo também, dizendo que todos os jovens são assim, mas que eu o fui. Melhor dizendo, só começei a dar a importância merecida  quando a dúvida de que curso iria fazer surgiu, apesar de ainda ter dois anos para ponderar sobre essa decisão tão importante, o medo de não conseguir um bom emprego após me formar me assusta. Pois, afinal esse é o temor de todos: não ter uma vida de sucesso, feliz e pacata. 

Em meio a esse temor da falta de empregos, decidi ir a procura de informações, começei pela minha mãe, a questionei sobre a visão dela do mercado de trabalho atual e o de sua época. Ela então me disse que em seu tempo ter apenas um diploma na mão já lhe garantia um emprego, hoje em dia, é claro, que isso não é o mesmo, nessa sociedade onde se busca sempre mais conhecimento e aperfeiçoamente, não há um final. 

O mercado de trabalho está sempre em constante desenvolvimento.

 

Emprego?!

 

Enfim, vamos voltar para o hoje, em 2010. Nosso mercado de trabalho, por causa da crise, deseja se reestabelecer este ano, no pós-crise, fazer investimentos, recuperar seu faturamento e prosperar. Por isso 2010, será um ano com muitas contratações, onde as empresas buscam empregados com conhecimentos específicos, inteligência emocional, disposição para aprender, visão estratégica, a fluência de idioma e entre outros aspectos. 

O que de fato aconteceu, de acordo com os dados da Curriculum, empresa especializada em recolocação profissional. Em comparação aos meses iniciais de 2009, 2010 teve um aumento de vagas, o que foi o contrário do número de candidatos.

As aréas onde aparentam maior número de vagas foram nas áreas de call center, tecnologia da informação e na área médica.

Profissões em alta do futuro.

Retirado do Gazeta do Povo Online. 

“Para a analista e consultora profissional Lígia Guerra, as profissões relacionadas ao meio ambiente e aos recursos naturais já estão sendo valorizadas hoje, e são boa aposta para o futuro. “Profissões como Agronomia, Engenharia Ambiental, Engenharia de Petróleo e Gás Engenharia Hídrica devem ter um mercado aberto por mais 10 ou 15 anos”, diz. 

 

Além disso, com a crescente necessidade de comunicação internacional, os profissionais de letras também devem ser valorizados. “É a globalização. As pessoas precisam se comunicar, e as línguas mais exóticas, como o próprio mandarim [chinês] estarão muito em alta”, conta.

O lazer também já está ganhando terreno no mercado de trabalho na opinião da consultora. Cinema e Vídeo, além das profissões que se envolvem com a área editorial, devem crescer ainda mais. “Nunca se deu tanto valor ao lazer como hoje. 

 

As pessoas têm cada vez menos tempo livre e querem aproveitá-lo fazendo o que gostam”, diz Lígia. A consultora também aponta as profissões que envolvem tecnologia, como telecomunicações e Ciência da Computação.

Em baixa, estariam áreas que hoje já possuem um excesso de profissionais. “Psicologia, Jornalismo, Odontologia e Marketing, por exemplo, são áreas que estão com muitos profissionais no mercado. Não quer dizer que não haja vagas, mas os profissionais serão cada vez mais exigidos para ocupar esses postos de trabalho”, diz.

Contudo, na opinião de Sergio Cesarino, diretor executivo do Grupo Catho em Curitiba, o mercado de trabalho é imprevisível.

“Isso é um exercício de futurologia com grandes chances de dar errado. Como exemplo posso dizer que há 10 anos ninguém conseguiu prever que a demanda por profissionais da área de Tecnologia da Informação seria tão grande neste momento. 

 

Como o Brasil hoje está se tornando um grande exportador de serviços de TI, ao lado da Índia e China, profissionais experientes nessa área e com total domínio do inglês estão em falta no mercado”, diz.

 

 

Portanto, para Cesarino, hoje, estão em alta profissões como Engenheiros, Geólogos e Arquitetos, em razão do momento pelo qual está passando o país. 

 

“O Brasil passa por um momento de crescimento econômico e as necessidades de expansão da capacidade produtiva e de infra-estrutura se fazem presentes”, diz. “Também nota-se demanda em alta das profissões que lidam com a saúde e alimentação da população, além de especialistas em meio ambiente e ecologia”, completa.

Ainda de acordo com Cesarino, outra área muito requisitada sempre é de Propaganda, Marketing e Vendas, na qual se pode incluir também Comércio Exterior. “Quanto maior é a demanda por produtos e serviços, mais as empresas precisam de profissionais que saibam atingir o público-alvo e aumentar sua lucratividade”. 

 

Ele também aponta que Administração, Economia, Direito Empresarial e Internacional são profissões “aquecidas”. “Isso se deve ao aumento do número de empresas na Bolsa de Valores e a necessidade das organizações competirem em um mercado globalizado”, explica.”

No fim, concluimos que, o mercado de trabalho sempre está em desenvolvimento e há vagas a aqueles que são focados no que fazem e o fazem bem, é como dizem: se o profissional é competente naquilo que faz, ele é disputado pelas empresas. O importante, é fazer o que se gosta desde que o faça bem, sempre abrir seus horizontes e não se deixar desatualizado. 

 

 

Caso você ainda esteja em dúvida depois de ter a coragem de ler este post gigante, você pode acessar o site:

Infomoney

E pesquisar um pouco mais.

Ou assistir a um vídeo retirado do Jornal Hoje (Globo) sobre vagas de emprego no mercado de trabalho no link abaixo:

Clique Aqui

 

 

Com isso, finalizamos o primeiro tema do Desafio do Conhecimento. Gostou? Deixe seu comentário! Até a próxima.

 



- Postado por: Alguém Como Você às 17h48
[ ] [ envie esta mensagem ]

___________________________________________________




F%

 

Olá! O F5 é o mais novo blog feito por adolescentes que passam por toda e qualquer dificuldade de um adolescente normal.

O mundo está nos esperando lá fora e aqui discutiremos temas propostos pelo Desafio do Conhecimento Its.

O nome vem de uma tecla muito usada pelos internautas de hoje, a tecla F5, que atualiza todos os dados da página em que a pessoa se encontra.

É isso por enquanto pessoal... Então, até a primeira atualização!

 

 



- Postado por: Alguém Como Você às 20h28
[ ] [ envie esta mensagem ]

___________________________________________________